Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

Ter | 01.01.19

2018: Alvo de Análise.

twilight_pr

Falar de 2018 no primeiro dia do ano de 2019 dá-me um sentimento nostálgico. Pensar nos 365 dias que acabei de vivenciar acaba por ser um processo longo e duradouro que me deixa realmente nostálgica. Pus-me a pensar realmente neste ano que passou e fiquei feliz com tudo o que nele ocorreu. Fiquei feliz. Houve momentos menos felizes e acho que os momentos tristes podem quase ter abafado os momentos bons, especialmente porque as emoções tristes acabam por ter uma grande carga de que nos levar para baixo e eu sinceramente não quero nada disso e ao olhar para trás consigo ver os dois lados perfeitamente e sinto-me feliz com as escolhas e os acontecimentos felizes que 2018 me proporcionou. 

2018 foi um ano complicado e um ano de desafios e de aventuras.

Harry Potter and the Chamber of Secrets live.jpg

Tive a oportunidade de assistir o filme do segundo filme do Harry Potter com a música ao vivo em fevereiro e acabar por usufruir de uma das minhas prendas de natal de 2017. (Post aqui)

Fui ao Rock in Rio Lisboa pela terceira vez e pela primeira vez o bilhete foi realmente pago por mim. Todo o dinheiro que eu ia amealhando lá foi ele para o bilhete do RiR e ainda bem que fui, porque para ir ver os Muse, socorro acho que foi realmente uma grande bomba e eu estou mesmo feliz por ter tido a oportunidade de os ver ao vivo nem que fosse no festival a que fomos. (post aqui)

Tive a oportunidade de ouvir ao vivo pela primeira vez a Carolina Deslandes e ainda conseguir o seu novo álbum autografado . Confesso que foi um momento muito bom dado que nem pensei em conseguir nada, especialmente porque a possibilidade de conseguir ir à mini-sessão era realmente mínima, mas feliz consegui dar a volta e consegui vê-la pela primeira vez no dia em que saiu o seu álbum Casa. (post aqui)

Consegui ir ver o Lenny Kravitz pela primeira vez no Meo Arena e melhor que isso foi ter isso exatamente no meu aniversário quando eu mesma estava a fazer 20 anos, foi uma grande noite e na realidade acaba por ser muito bom ter um aniversário diferente daquele que se faz sempre. (post aqui)

Voltei a ir ao Iberanime de Lisboa (post aqui) e ainda fui à Feira do Livro de Lisboa (post aqui)e por muito que as compras que foram feitas em ambos os sítios senti-me realmente muito feliz em ambos ambientes, afinal... como é que eu não me poderia sentir bem dentro de uma feira do livro e ainda por cima com a dimensão que a de Lisboa acaba por ter? Eu normalmente queria era ficar mais tempo!

IMG_1472.JPG

Voltei a Sesimbra já quando fazia bom tempo e ainda fui pela segunda vez ao Porto, sendo que desta vez acabei por ficar lá mais do que um dia completo e acabei por aproveitar muito mais da cidade do que aquilo que eu tinha aproveitado da outra vez. Os sentimentos que aquela cidade me trouxe foi exatamente de que Lisboa, sendo mais próxima de mim e ainda por cima agora o lugar onde estudo, acaba por ser uma cidade muito mais movimentada e muito mais turística. Porto é turística e tem uma boa quantia de turistas, mas na realidade prefiro o movimento do Porto porque é bem mais organizado do que o movimento de Lisboa. Porto levou-me à concretização de um sonho e nisso eu realmente não posso falar... no sentido em que... bolas, fui à Lello pela primeira vez e senti-me tão bem lá dentro... senti-me em casa e a pequenez do sítio torna-a realmente grande. (post aqui)

IMG_9281.JPG

Fui ao Jardim Zoológico e andei feita maluca a tirar selfies com girafas porque, para quem não sabe, são os meus animais favoritos e ainda por cima agora que têm aquela girafa bebé... não consigo simplesmente ficar de braços cruzados e sem tirar milhões de fotos àquelas fofuras. Acho que a ida ao jardim zoológico também me fez entender algumas circunstâncias como por exemplo fiquei realmente a saber como é que a girafa tinha morrido, porque na minha ideia não havia nada para que ela se magoa-se... pois as mudanças agora são outras e infelizmente consegui entender a mudança para que essa tragédia tivesse acontecido. (post aqui)

Ao longo de 2018 consegui realmente fortalecer as amizades que tinha da faculdade e agora parece que já nos conhecemos desde sempre, mesmo que as três acabemos por ser todas de sítios completamente diferentes de Portugal. 

Virei finalista e vou acabar finalmente a minha licenciatura este ano. É estranho pensar que foi em 2016 que tudo começou e que de repente a pressão de ser escolhida ou não voltou em alta simplesmente porque voltei a ser finalista. As decisões voltaram a ser importantes tão importantes ao ponto de parecer que estou de novo no 12º ano.  

Contudo, nem tudo foi um mar de rosas. Como disse sou finalista. Sou finalista e o segundo ano foi para esquecer, a pressão das notas é pior ainda do que quando estamos no secundário. Pior porque temos de ter créditos para poder realmente competir com não sei quantas milhares de pessoas para poder realmente fazer um estágio e as coisas são complicadas nesse ponto. Porquê? Porque nem os professores conseguem facilitar e explicar como deve ser. Ter seis cadeiras em cada semestre é duro, mas faz-se bem quando se tem realmente pica para se lutar por aquilo que se quer, mas o facto de ter ficado agarrada por uma cadeira... quase que me deitou abaixo. Imaginem-se... faltam uma nova e essa nota irá decidir se vocês podem fazer estágio e conseguir começar já com a vossa experiência profissional, os nervos são tantos e que quando vais ver a nota reparas num borrão vermelho a dizer que tens de tentar mais tarde e que a possibilidade de ele realmente não querer saber é elevada e que todos os teus esforços foram em vão. É frustrante...

Em 2018 perdi o meu avô a duas semanas de fazer 20 anos. Doí como tudo. "Cura-se" com o tempo e normalmente pensar nele não me custa assim tanto. Foi daquelas coisas... já se esperava que acontecesse, contudo... quando acontece, nunca realmente se espera que fosse aquele momento naquele preciso momento. Saber não apaga a revolta que eu senti durante algum tempo e que de momento se encontra apagada. A revolta de que durante anos andamos a batalhar e durante anos pensamos que iria ficar no hospital e durante anos ele voltava... a revolta saber que o avô não viu as suas últimas netas a fazerem 20 anos. A revolta de saber que todos os netos estavam realmente na mesma página de que a qualquer momento ele iria embora, mas na realidade todos eles tiveram-no quando completaram 20 anos. Todos eles tiveram-no lá quando se formaram e começaram as suas respetivas carreiras. A revolta continua aqui do facto de não conseguir esquecer que ele se foi embora duas semanas antes de fazer 20 e a revolta de saber que ele não me vai ver a concluir a minha licenciatura e muito menos ver-me a começar a minha carreira. É revoltante... porque por muito que se esteja à espera... não se está.

O stress que já falei dos trabalhos de grupo que levam e tudo a ataques de pânico... estas coisas marcaram o meu 2018. Marcaram porque quando te dizem para ignorar é quase uma forma de te conformares com as atitudes de quem está a trabalhar contigo e uma forma de de conformares que já não há volta a dar e isso deixou-me tão desgastada que de repente o ignorar soa-me sempre a uma boa ideia, mas tornou-me mais responda e não consigo simplesmente ignorar... preciso de começar a reagir porque se não o fizer... conformo-me com ideologias erradas.

Também foi o ano de fazer finalmente o meu evento cultural, um evento cultural que deu realmente um enorme trabalho. Contudo, depois de 3 meses a trabalhar nele fiquei contente com o resultado, foi grandioso... 150 pessoas visitaram o nosso projeto e foi sem dúvida espetacular, não esperava que as coisas corressem tão bem e estou sem dúvida contente. É um projeto de faculdade, mas todo o trabalho que tive era realmente como se eu própria já estivesse dentro do mercado de trabalho.

Livros do Ano 2018.png

Falando em termos literários, conclui também o meu ano em número par. 62 livros lidos! O Goodreads armou-se em totó e colocou-me 60 livros, mas com a minha contagem real eu sei que foram 62 livros! Este ano foram menos livros do que em 2017 é verdade, contudo foi um bom ano em termos literários e consegui superar o meu goal de ler pelo menos 40 livros e portanto estou mais que feliz com a meta que acabei por conseguir. Em termos de livros, poderei fazer aqui aqui um top mensal do livro que eu mais gostei de ler ao longo dos meses todos.

Bully.jpg

Janeiro: Gostei muito da saga do Bully da Penelope Douglas, contudo, nada foi melhor que o primeiro porque é sempre aquela coisa... o primeiro é o primeiro, ninguém consegue bater normalmente as emoções que conseguimos encontrar nestes livros. (post aqui)

O Vale do silêncio.jpg

Fevereiro: Gostei muito do Vale do Silêncio da Nora Roberts, o terceiro livro de uma trilogia. Acho que foi um dos que eu mais gostei pela forma envolvente que as personagens acabaram por se relacionar e isso acabou por me deixar realmente rendida ao final da trilogia.  (post aqui)

O Príncipe.jpg

Março: Foi o mês de livros da faculdade e portanto dos dois livros que eu li confesso que gostei muito mais do livro do Maquiavel do que realmente do livro de Pico della Mirandola, portanto reforço que foi O Príncipie de Maquiavel. (post aqui)

O Beijo das sombras.jpg

Abril: Gostei bastante do terceiro livro da saga de Richelle Mead a autora do Vampire Academy que porque de facto acabou por ser um dos livros que mostrou mesmo a mudança de pensamentos da Rose e a claro a evolução da relação dela com Dimitry. (post aqui)

La Sombra del Viento.jpg

Maio: Apenas posso nomear o livro de Carlos Ruiz Zafón porque foi o único livro que eu li durante esse mês, contudo foi um grande livro e confesso que fiquei curiosa para ler mais sobre o autor, contudo, reforço que um dos pontos que eu menos gostei foi que chega a uma certa parte no final que acaba por ser muito apressado e as coisas deveriam ter sido feitas de uma oura forma, na minha opinião. (post aqui)

Harry Potter e os Talismãs da Morte.jpg

Junho: De todos os livros tenho de dar realmente a mão à palmatória ao sétimo livro da saga do Harry Potter, porque toda a história acaba por estar bem contada, conseguimos ver até a evolução dos personagens dentro do mesmo livro e não só apenas dentro da saga e especialmente não há como lidar com todos os sentimentos que a J.K.Rowling conseguiu transpor, está realmente um final do caraças. (post aqui)

Os Contos de Beedle, o Bardo.jpg

Julho: Neste mês volto também a J.K.Rowling com o livro d'Os Contos de Beedle, o Bardo que foi um grande livro. Especialmente em termos psicológicos e emocionais porque conta histórias para adormecer e histórias infantis que acabam por ter teores muito mais filosóficos que realmente aparenta ser.  (post aqui)

Começar de Novo.jpg

Agosto: Destacou-se Começar de Novo de Nora Roberts pela complexidade das personagens, especialmente da personagem presente, mas totalmente ausente que basicamente vivia atrás das memórias que cada personagem tinha sobre ela. Realmente um dos livros que eu mais querer dela há anos e que felizmente consegui ler neste mês. (post aqui)

Porto de Abrigo.jpg

Setembro: Volto a destacar Nora Roberts com o terceiro livro da saga d'Baía de Chesapeake e que refere não só a continuidade de todos os personagens anteriores, mas reforça ainda um dos personagens que eu estava mais curiosa por descobrir e especialmente o teor emocional e familiar que acaba por trazer este livro de uma outra forma, sem dúvida. (post aqui)

Outubro: Em outubro, acabei por não ler nenhum livro porque encravei num dos piores livros da minha vida e acabei por nem o conseguir terminar neste mês.

O Pântano da Meia-Noite.jpg

Novembro: Dado que apenas li dois livros e ainda por cima um deles eu odiei, volto a referir que aquele eu realmente escolho é o O Pântano da Meia Noite de Nora Roberts, que nos leva a acreditar em fantasmas e na reencarnação. (post aqui)

O Coração de Simon Contra o Mundo.jpg

Dezembro: Neste último mês posso dizer que foi O Coração de Simon contra o mundo. Ainda não falei sobre ele no blog, mas em breve falarei. Com as avaliações a serem feitas quero aproveitar para ler e acabei por não fazer todas as reviews que queria antes do mês acabar e do novo ano começar.

Em relação ao cinema, sinto-me bastante orgulhosa de mim, por vir cá dizer que consegui no total ver 31 filmes. Desta vez não vos vou falar de todos até porque quase todos estão aqui nos blogs, menos os últimos três que ainda não fiz o post (estão nos rascunhos para serem finalizados). Contudo, deixo-vos a lista dos filmes que eu consegui ir ver ao cinema!

1. Fifty Shades Freed (post aqui)

2. Black Panther (post aqui)

3. Tomb Raider (post aqui)

4. Avengers: Infinity War (post aqui)

5. Jurassic World: Fallen Kingdom (post aqui)

6. Incredibles 2 (post aqui)

7. Venom (post aqui)

 8. A Star is Born (post aqui)

9. Bohemian Rhapsody (post aqui)

10. Fantastic Beasts the Crimes of Grindelwald.

Exatamente, consegui ir ao cinema 10 vezes ver o filme e uma das vezes consegui aproveitar o festival de cinema que colocava os bilhetes a 2,50€. Sem dúvida um bom ano em termos de filmes e de livros.

Em termos de música, não me quero alongar ainda mais do que já me alonguei, mas falaremos daquelas que eu mais ouvi ao longo do ano. Não me quero repetir, porque sem dúvida ouvi bastante Tokio Hotel, Harry Styles e Niall Horan, mas falando das músicas que foram lançadas em 2018 e que realmente eu andei a ouvir de quarentena.

                               

                               

                               

                             

                             

                             

Por fim, mas não menos importante, em 2018 consegui chegar aos 6 anos de blog e ainda a 13 destaques! Dado que este é o primeiro post do ano, o blog fechou 2018 com 1787 posts! E com 11156 comentários e ainda 781 reações! Uma das melhores formas de acabar o ano.

Como disse, houve coisas más e normalmente elas tendem a tapar-nos a vista para as coisas boas, mas sem dúvida que foi um grande ano, mesmo com as lágrimas que foram derramadas.

2019, o que é que tu me vais trazer?

Bom ano a todos!!!

1 comentário

Comentar post