Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

What I Saw #192

"The Unborn Child" (2011)

30.10.21 | twilight_pr

The Unborn Child.jpg

Título: The Unborn Child (2011) | Duração: 96 minutos |  Género: Horror | Idioma: Tailandês | Protagonistas: Phim & Trai

Este filme é baseado numa história verídica especialmente em algo específico que aconteceu no filme e que, de certo ponto, ainda consegue arrepiar bastante. Grande parte das personagens que acabam a estar envolvidas nesta mesma história são mulheres que estão grávidas, mas que não conseguem ter condições para ter um filho da forma como a vida delas está. Uma mulher em concreto, neste caso Phim, decide fazer um aborto que muda a sua vida por completo, trazendo novos pesadelos com ela a ser assombrada por uma criança que nunca chegou a nascer. 

Várias são as mulheres que tendem a ser assombradas. Uma das mulheres, que já tem uma família e até uma filha pequena, vê-se assombrada ao mesmo tempo que o seu marido por uma criança que afirmava ser filha deles - o filho que eles não teriam querido. Ainda temos a personagem que tinha decidido fazer um aborto e tinha morrido por conta das condições a que tinha tinha ficado exposta após a intervenção cirúrgica. Portanto, isto são apenas alguns exemplos daquilo que aconteceram a várias pessoas que tiveram de abortar por diversos motivos.

A não esquecer que na Tailândia as coisas são diferentes de como as coisas são feitas, por exemplo, aqui na Europa e, portanto, até o simples facto de ter engravidado fora do casamento ou antes mesmo de estar casada poderá levar a que a mulher seja expulsa de casa, entre outras coisas.

O filme, como acabamos por ver, é tendencialmente de horror. Não é propriamente um filme de romance, é mais de terror e claramente que não faz o meu género. Não é daquelas que honestamente recomende para vocês verem, falei-vos e até que dá que pensar em várias questões que são temas de debate há anos (como é o caso do aborto). Portanto, acho que se for por isso acabamos por conseguir tirar coisas positivas do filme. 

É diferente e até tem um ponto a mais por marcar pela diferença, mas ao ver este filme também me fez ver que este não é realmente o tipo de filme para mim. No entanto, acho que é melhor que vocês tirem as vossas próprias conclusões e, como tal, deixo-vos o trailer:

Pág. 1/11