Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

12
Fev18

Book Store #312

twilight_pr

A Cruz Morrigan

A Cruz de Morrigan.jpg

Autoria de Nora Roberts.

Andava a lutar contra uma das trilogias da Nora há anos confesso. Esperei anos para ler o livro e sinceramente nem o porquê de ter demorado tanto tempo a ler o livro, porque sejamos francos é Nora Roberts, ela nunca me desilude com as suas obras.

Ao longo do livro fui conhecendo os personagens envolventes e desta vez fui surpreendida com um tipo diferente do que estou habituada nos seus livros. Nora Roberts apresentou-me um livro com personagens fantásticas! Normalmente há sempre um pouco de mistério e de magia (por assim dizer) nos seus livros, mas dali a ter um livro que tenha mais de 100 páginas repletos de personagens que não são simples humanos, a coisa acaba simplesmente de melhorar.

Hoyt, um homem feiticeiro irlandês do século XII, acaba por parar no meio do século XXI para conseguir encontrar um guerreiro, uma bruxa, um metamorfo, um erudito e ainda aquele que ele perdeu. Hoyt precisava de encontrar aquelas cinco pessoas para conseguir finalmente criar um círculo e derrotar uma das vampiras mais poderosas de sempre e em contraste conseguir derrubar o seu grande exército e apenas com os seus amigos.

Hoyt vê-se dentro de um mundo que antes era o seu, mas muito mais evoluído. Não sabe o que esperar das pessoas e muito menos de tudo o que lhe rodeia, mas uma coisa ele tem a certeza... ele precisa de criar aquele círculo, porque dentro de três meses as coisas iriam ficar demasiado feias para o seu gosto.

No meio daquilo tudo a primeira pessoa que ele consegue encontrar é exatamente a pessoa que ele perdeu: o seu irmão gémeo que tinha sido mordido pela grande vampira e que se tinha transformado numa criatura da noite. Ele sabia que precisavam do gémeo vampiro para conseguirem lutar e aprender a combater os da sua espécie.

De facto este é o primeiro livro e centra-se na apresentação de todas as personagens que nos vão ser apresentadas ao longo dos outros dois livros, mas o primeiro também se centra em duas personagens principais no meio das seis.

Glenna é a bruxa que se junta ao círculo para conseguir salvar o maior número de pessoas possível através do seu dom e assim conseguir ainda viver na terra. Mas as coisas mudam totalmente ao conhecer Hoyt, um feiticeiro do século XII. A coisa piora ainda mais quando eles começam a trabalhar e a interagir um com o outros e de repente Glenna está totalmente apaixonada por ele, mas há sempre um problema no meio disto tudo: ele era do século XII e ela do século XXI. Como é que as coisas iriam ser feitas para conseguirem viver em paz naquele mundo e ainda conseguirem ficar juntos quando se tem basicamente mil anos a separá-los?

O livro centra-se especialmente no romance deles os dois e na luta que o círculo tem de travar. O círculo, melhor explicando, refere claramente quem carrega sim a cruz de morrigan, apenas aqueles que acabam por estar ao serviço da própria deusa.

Nora Roberts não me desiludiu com o seu livro, mas agora que conheço as suas personagens espero que o segundo livro seja ainda melhor, porque as apresentações já foram totalmente feitas em relação ao lado do círculo e ainda os personagens do lado do inimigo e portanto não há muito por ali. Acho que foi realmente um livro sobre apresentações e sobre confiança.

Roberts criou um livro como apresentação de uma das suas trilogias e ainda conseguiu demonstrar como seis pessoas que nunca se tinham visto na vida conseguiam realmente conviver e lutar lado a lado e que conseguia, especialmente, confiar uns nos outros. O círculo mostra uma grande confiança entre os seis que é necessária quando se está em guerra e que acaba a ser difícil de conseguir quando se conhece apenas há uma semana.

Acho que foi de facto uma leitura diferente daquela que estava habituada a que a Nora me desse a conhecer, normalmente são sempre coisas em relação a fantasmas ou ligeiramente a magia, mas nada em relação a vampiros, feiticeiros, bruxas e etc! Mas de facto estou surpreendida e fascinada com os personagens.

Hoyt é um homem que se sente deslocado e demasiado protetor porque, de onde ele vem, as mulheres são frágeis e precisam de ser cuidadas e protegidas, mas no mundo de Glenna as coisas não são bem assim: as mulheres são fortes e sabem tomar conta delas próprias ao ponto de nem precisarem de viver com um homem para conseguirem ser felizes e claramente conseguem-no fazer e muito bem. As coisas mudam para Hoyt com Glenna na sua vida e gostei de ver que em tão pouco tempo os personagens já são totalmente diferentes.

O melhor de tudo é que por muito que tenha passado algum tempo Nora Roberts consegue sempre fazer com que o tempo da história não seja demasiado apressado e é preciso um dom para conseguir fazer isso e fazer com que uma pessoa se sinta realmente confortável com o pouco espaço de tempo em que o romance está a decorrer.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.