Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

03
Mar18

Book Store #318

twilight_pr

O Príncipe

O Príncipe.jpg

Autoria de Maquiavel.

Especialmente conheci o livro porque foi necessário para mais uma das minhas cadeiras, esta em especial já eu tinha feito o ano passado e estou a repetir pela segunda vez, com outras obras, totalmente novas. Maquiavel pelo que me deu a entender neste livro acaba por dar o nome de Príncipe ao grande governador. Sendo ele de Florença e do século XVI, entende-se o porquê do nome Príncipe para a obra, normalmente era assim que era chamado o grande governador da cidade de Florença (é engraçado como esses pormenores até por exemplo o Sylvain Reynard que a trilogia de Florença, chama exatamente William por Príncipe de Florença).

No final disto tudo, confesso que o tema é grandioso. Há quem diga que Maquiavel escreveu a obra em ordem para conseguir emprego, depois de ter ficado sem o seu anterior e que ao escrever uma obra em relação a como o tal príncipe deve ser e como se deve comportar. Independentemente desses pensamentos o livro acaba por ter grandes factos históricos do seu tempo e não só que ajuda bastante a compreender melhor os próprios pensamentos do autor. Acontece que sendo um livro de quem é que basicamente não passou em primeira mão por críticos, mas passou a ser conhecido por base popular, acaba por levar com muitas interpretações alheias e durante a leitura acabamos igualmente a ler com base naquilo que nos foi dito de forma a compreender-mos mais nas interpretações que nos foi dadas.

Maquiavel baseia-se muito nas vitús (traduzindo mais para as qualidades/astucias) que o príncipe deve ter afirmando umas quantas bastante importantes e que para ele não tem nada a ver com um homem moral, certamente que não era isso que era o mais importante. Para Maquiavel o ponto principal era o jogo de aparências e especialmente conjugado com a força que o príncipe deveria ter, ou, mais importante ainda, com a força que o príncipe devia dar a parecer que tinha (igualmente como um jogo de aparências).

Um livro pequeno de se ler, mas face àquilo que afirmei sobre interpretações e estar a ler com base de interpretações e ainda por cima um livro complexo acaba por se demorar um bocadinho mais do que o pretendido a lê-lo. Mas no final, acaba realmente por ser bastante interessante de se ler!

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.