Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

Attention

«I am the author of my life. Unfortunately, I am writing in pen and can not erase my mistakes.» - Bill Kaulitz

31
Jul18

Book Store #336

twilight_pr

Mais Negro

Mais Negro.jpg

Autoria de E.L.James.

Pensei mesmo em ler um livro da Nora Roberts, mas quando olhei para a estante e reparei no segundo livro da E.L.James contado do ponto de vista do Christian, achei que estava mesmo na altura de pegar nele e de o devorar. Pensei que o facto de ser enorme iria ajudar a que pudesse pelo menos ficar com ele durante 2 ou 3 dias. Estava redondamente enganada. Afinal... basicamente foi um dia inteirinho com direito a acordar tarde e tudo. Enfim, só me estava a enganar a mim própria ao pensar que iria demorar mais de dois dias a ler o livro.

Não me quero repetir muito enquanto ao que eu disse sobre o que achei do livro quando li os livros do ponto de vista da Ana, já há não sei quanto tempo (quando que foi em 2014, porque a mana mais velha apenas me deixou ler os livros depois de eu ter 16). Acho que foi isso. Assim sendo, acabei por voltar a reler o segundo livro quatro anos depois e desta vez do ponto de vista do próprio Christian Grey.

Quando li o primeiro livro do seu ponto de vista, fiquei a gostar bastante do livro, especialmente porque se continua a ver o quão lixado ele está e que ele realmente não se conforma com todo o seu passado e que ele anda mesmo a assombra-lo, independentemente de tudo o que faça. E isso está realmente numa grande barreira entre ele e a Ana.

Tal como acabou o primeiro livro tanto dos dois pontos de vista, Ana tinha saído de casa de Christian totalmente magoada com aquilo que ele queria fazer com ela e ao ponto de lhe proporcionar tal dor apenas para seu próprio prazer. Neste segundo livro começamos de uma forma diferente, porque em vez de vermos como a Ana se sente, acabamos por ver como o próprio Christian se está a sentir antes de voltar a estar com ela. Sabia que tinha feito asneira, mas queria ao máximo voltar atrás no tempo para a conseguir ter de volta. Para ele, era melhor ficar sem as coisas de dominador do que ficar sem ela, porque ficar sem a Ana era bastante pior

Há episódios que finalmente nos são respondidos através deste livro, como por exemplo a forma como ele se sentia em relação ao toque. Tal como no primeiro livro do seu ponto de vista, já vemos mais ou menos como as coisas estão estabelecidas na sua cabeça, mas deste ponto as coisas acabam por ser diferentes porque vemos Christian a tentar tolerar o toque de Ana porque sabia que era necessário, porque era algo importante para conseguirem avançar na relação que ambos estavam a construir.

Os pontos controladores de Christian acabam por ser explicados através do medo que ele tem de a perder novamente, tanto que ao longo do livro, tal como no ponto de vista de Ana, vemos que é recorrente eles próprios dizerem que ela o tinha deixado por causa daquilo que tinha acontecido no quarto vermelho. As coisas estão diferentes neste, porque isso marcou realmente Christian e ao ponto de ter não conseguir mesmo entrar no quarto porque ele simplesmente não consegue pensar no facto de que a última vez que tinham lá estado, ela tinha-o deixado.

Há coisas que acabamos por descobrir mais tarde e que aparece mais bem explicado como por exemplo a queda do Charlie Tango, finalmente entendemos como é que isso aconteceu e também finalmente entendemos como é que ele e Ros conseguiram sair de lá, porque no livro do ponto de vista de Ana apenas temos a confirmação de que aquilo tinha acontecido e que eles estavam vivos, quando finalmente eles chegaram a Seattle. É tudo um facto.

Entretanto, uma das coisas que acabei por notar ao longo da leitura é que as coisas mudaram bastante entre o ponto de vista da Ana e do ponto de vista do Christian. Neste ponto vejo que a própria E.L.James melhorou bastante na sua escrita e na forma como queria formular os seus discursos, porque de facto embora a ação seja a mesma e embora as palavras sejam as mesmas, os pensamentos de Christian ao longo da narração estão melhor estruturados e sinto que houve mesmo uma melhoria entre os dois livros comparando claramente os anos que passaram entre os dois livros. 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.